Buscar

Pandemia de Covid-19 gera boom de reformas residenciais

Com mais tempo em casa, moradores percebem deficiências do imóvel e investem em reformas de melhorias.



Desde março deste ano, quando o isolamento social se fez necessário para conter os avanços do Coronavírus, as pessoas passaram a ficar mais tempo dentro de suas casas, trabalhando, estudando e usufruindo por períodos mais longos espaços que antes eram aproveitados em ocasiões pontuais.


A consequência desta mudança de comportamento revelou algumas imperfeições em diferentes aspectos desde o isolamento acústico, a eficiência dos espaços e o conforto proporcionado durante a utilização. O engenheiro e diretor da Claassen Construtora, Fernando Campos, comenta: “Nós recebemos muitos pedidos de socorro durante essa quarentena, de pessoas que precisavam ficar em casa, porém não suportavam mais as condições em que o imóvel se encontrava.”


Ainda sobre os fatores que aumentaram a procura por pelas transformações em cômodos, principalmente nas áreas de uso comum, Fernando afirma que a queda nas taxas de juros influenciou na tomada de decisão de investir nos próprios imóveis.


Enquanto algumas pessoas buscaram reformas para as áreas sociais, outros optaram por renovar os cômodos mais íntimos da casa. A Anna Elisa, mora em São Paulo, já conhecia o trabalho da Claassen e solicitou um projeto para o quarto e o banheiro:


“Meu banheiro estava mesmo de uma renovação. E a Cristina tem muito bom gosto. Então, quis mudar, adoro banheiros inspiradores. O quarto foi pra ganhar mais espaço de armário e também fazer um canto agradável pro home office”.


Sobre a relação com a casa durante a pandemia, Anna Elisa diz: “Nossa casa se tornou nosso lugar mais seguro e querido, ao mesmo tempo que dá pra enjoar dela. Há um ano reformei sala e cozinha com a Claassen e foi a melhor decisão porque temos ambientes amplos, integrados e modernos”.


Desafios para a Construção Civil


Outra consequência da pandemia que desafiou o segmento de construção civil foi a escassez ou a demora na entrega por parte das indústrias, gerada pela diminuição da força de trabalho nos últimos seis meses, aliada ao aumento de até 30% nos preços de alguns materiais. Fernando Campos comenta o reflexo do cenário: “Isso tem um impacto muito alto no bolso do consumidor, que se assusta e pode até decidir adiar os planos.”


Os comportamentos, olhares e percepções se modificaram durante o isolamento social, trazendo novos desafios para os profissionais da construção civil que deverão levá-los em conta no momento de delinear projetos arquitetônicos e de interiores.


Sobre esta questão e sobre repensar ambientes que acolhem pessoas com pensamentos, objetivos de uso do espaço e rotinas diferentes, Fernando Campos diz que mesmo sem a pandemia, as necessidades mudam de tempos em tempos e é preciso estar sempre preparado entendê-las e solucioná-las . E ressalta: “ O grande dom de um arquiteto em uma reforma é conseguir atender à todas as necessidades do cliente dentro das possibilidades e restrições construtivas do seu imóvel.”


38 visualizações